OPINIÃO

Será que o Verdão engrenou?

26/04/2018

p.p1 {margin: 0.0px 0.0px 40.0px 0.0px; line-height: 22.0px; font: 12.0px Arial; color: #424242; -webkit-text-stroke: #424242; background-color: #f8f8f8} p.p2 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; line-height: 22.0px; font: 12.0px Arial; color: #424242; -webkit-text-stroke: #424242; min-height: 14.0px} p.p3 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; line-height: 20.0px; font: 12.0px Arial; color: #ff8a80; -webkit-text-stroke: #ff8a80} p.p4 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; text-align: center; line-height: 22.0px; font: 12.0px Arial; color: #ff8a80; -webkit-text-stroke: #ff8a80; min-height: 14.0px} span.s1 {font-kerning: none} span.s2 {font-kerning: none; background-color: #f8f8f8}

Verde forte, verde fraco. O Palmeiras anda assim, um dia lá outro cá. Na vitória sobre o Boca, nesta quarta-feira à noite, em Buenos Aires, 2 a 0, foi o Verdão, puro verde, sangue verde. O time que o palmeirense quer ver em campo. Jogadores com raça, se entregando, fazendo o inimigo temer e tremer, mesmo sendo ele argentino.

Dono de elenco milionário, formado por jogadores competentes, o Palmeiras não tem conseguido levar para campo todo o seu potencial.

O problema é o técnico? Acredito que não. Na terça-feira, ao chegarem a Buenos Aires, muitos jogadores foram hostilizados. O mesmo se deu no chamado treino de reconhecimento do gramado (na verdade, esse “treino” nada mais é do que um passeio pelo gramado do jogo um dia antes), quando meia dúzia de torcedores xingaram os jogadores.

Torcedor tem direito de se manifestar, sempre defendi essa posição. Mas isso deve se dar no dia de jogo, caso os atletas não estejam rendendo o esperado. Dia de treino, não, não pode. Não ajuda, só atrapalha.

Mas é possível que tenha havido uma conversa de vestiário entre o elenco (provavelmente com a presença da Comissão Técnica) e dali saiu a decisão importantíssima; chega de mimimi, vamos para o futebol.

Aliás, a diretoria também tem que deixar de lado esse mimimi que é altamente contagioso.

Esse negócio de ficar culpando arbitragens e tirar a responsabilidade dos jogadores não cola – pelo contrário, deixa o torcedor mais enfurecido e o jogador cada vez mais birrento, sensível e certo de que se errar a culpa nunca será dele.

E o que se viu em campo, ontem, foi exatamente um time que se preocupou em jogar futebol, nada de reclamações, nada de beicinhos, de lacrimejar, de fungar. Dudu, ótimo jogador, mas que se enquadra em todas essas situações acima, partiu para cima dos adversários e fez ótima partida.

Lucas Lima, sempre tão sumido, não só apareceu para o jogo, como ainda fez um gol de craque. Na foto ao alto da coluna, ele faz sinal de silêncio para o torcedor. Por quê, Lucas Lima? Você não está com essa bola toda.

Assim, o time que chegou a Buenos Aires visto com desconfiança pelos torcedores, fez excelente exibição e conseguiu antecipadamente a vaga para as oitavas de final da Libertadores.

Esse é o Verdão puro sangue, puro verde que o torcedor quer ver.

O Flamengo perdeu excelente oportunidade de dar um grande passo rumo à classificação em seu grupo da Libertadores, ao empatar, 0 a 0, com o Santa Fé da Colômbia.

E o empate acabou ficando de bom tamanho, já que o juiz não marcou um pênalti claríssimo, cometido por Henrique Dourado que tocou com o braço na bola dentro da área do Rubro Negro.

Pela Copa do Brasil, o Corinthians ficou também no 0 a 0 com o Vitória, jogo disputado no Barradão, em Salvador.

O Timão continua com aquele seu esquema de jogar sem centroavante nato. Quando Rodriguinho resolve a parada, diz-se que o esquema está correto. Não foi o caso de ontem.

Campeão da América, o Grêmio, fez valer sua condição e venceu o Goiás, no Serra Dourada, por 2 a 0, com um golaço de Everton de outro de Luan de pênalti.

Pela Liga dos Campeões, o Bayern recebeu o Real Madri e saiu na frente. Mas não resistiu e acabou levando a virada. Desta vez, Cristiano Ronaldo não marcou nem jogou bem. Mas, Marcelo fez um golaço.

Veja os gols da quarta-feira: https://youtu.be/vN5UWNkeFQU


 

Mário Marinho
Artigo escrito por Mário Marinho

Mário Marinho é jornalista esportivo com atuação no Jornal da Tarde, nas TVs Gazeta, Bandeirantes, Record e Cultura e nas rádios Eldorado, Gazeta, Record, Nove de Julho e Atual. É autor dos livros: "Paulo Marinho, uma reportagem biográfica", e "Velórios Inusitados".

Veja todos os artigos deste autor »
ASSINE NOSSA NEWSLETTER!
NOME: EMAIL:
Enviar