OPINIÃO

Os rivais tropeçam, o Timão avança

14/10/2017

O Timão fez as pazes com a vitória depois de dois empates seguidos e segue firme na liderança do Brasileirão.

Não se pode dizer que tenha sido uma exibição de encher os olhos do torcedor, nem mesmo lembrar a cintilante campanha do primeiro turno, quando não perdeu nem um jogo e, mais do que isso, dava espetáculo em cada partida.

Mas, o 3 a 1, trouxe alegria para a Fiel torcida, mesmo considerando-se que o adversário, o Coritiba, é o vice lanterna do Brasileirão e venceu apenas 7 dos 27 jogos que disputou até agora.

O empate, 1 a 1, que torturava a torcida do Corinthians, foi liquidado pelo jovem Clayson que entrou no lugar de Maycon (na foto, ao alto, o momento de seu segundo gol). Final: 3 a 1.

Cumprida sua missão, os corintianos torceram para que cada rival fizesse a sua parte. Não deu outra.

O Santos, mais próximo perseguidor do Corinthians, ficou no empate com a Ponte Preta.

O Palmeiras, que tinha como meta estabelecida pelo técnico Cuca vencer todos os seus adversários até o fim do Brasileirão, saiu com  2 a 0 em cima do Bahia e acabou levando o empate.

O Grêmio, do falante Renato Gaúcho, que vinha em perseguição ao Timão, acabou sendo derrotado pelo Cruzeiro, em Porto Alegre.

Assim parece cumprir-se a profecia de Zaratustra que disse, há milênios: “Dia virá em que o bafejo dos deuses se alevantarão a premiar os fiéis”.

A quarta-feira marcou também a volta do São Paulo a incômoda, mas já constante, posição na escorregadia zona do rebaixamento. Mais uma vez pode-se estar concretizando a ira de Zaratustra: “Ai dos Soberanos que se deixarem levar pela soberba”.

Veja os gols da quarta-feira:

https://youtu.be/gNv_yn3FcSo

 

Agora, os gols da quinta-feira:

https://youtu.be/yUZGpQovisA

 

O Fenômeno,
há 21 anos.

Foi no dia 12 de outubro de 1996, que o magrinho Ronaldo, que muitos ainda chamavam de Ronaldinho, fez um dos gols mais emblemáticos de sua carreira, mostrando toda a sua velocidade, equilíbrio e domínio de bola. Foi contra o Compostela, quando Fenômeno ainda defendia o Barcelona.

Assista: https://youtu.be/qE774yQX6uQ

 

Treze anos depois, já bem mais pesado e após tantas contusões, o Fenômeno ainda mostrava velocidade em sua arrancada como neste gol contra o São Paulo que levou o Timão à final do Paulistão de 2009.

Curta: https://youtu.be/_O49vjUiv8M

p.p1 {margin: 0.0px 0.0px 10.0px 0.0px; line-height: 26.0px; font: 13.0px Arial; color: #303030; -webkit-text-stroke: #303030; background-color: #ffffff} p.p2 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; text-align: center; line-height: 18.0px; font: 13.0px Arial; color: #232323; -webkit-text-stroke: #232323; min-height: 15.0px} p.p3 {margin: 0.0px 0.0px 15.0px 0.0px; text-align: center; line-height: 38.0px; font: 13.0px Arial; color: #ff0000; -webkit-text-stroke: #ff0000} span.s1 {font-kerning: none} span.s2 {font-kerning: none; background-color: #ffffff} span.s3 {font-kerning: none; color: #303030; -webkit-text-stroke: 0px #303030}

Mário Marinho
Artigo escrito por Mário Marinho

Mário Marinho é jornalista esportivo com atuação no Jornal da Tarde, nas TVs Gazeta, Bandeirantes, Record e Cultura e nas rádios Eldorado, Gazeta, Record, Nove de Julho e Atual. É autor dos livros: "Paulo Marinho, uma reportagem biográfica", e "Velórios Inusitados".

Veja todos os artigos deste autor »
ASSINE NOSSA NEWSLETTER!
NOME: EMAIL:
Enviar