OPINIÃO

Uma hora desssas

14/10/2017

Puxa, eu sei e consigo entender que tem um monte de gente que adora o tal horário de verão vindo de cima por decreto. Até eu - depois de pelo menos uns três meses – acabo me acostumando e começo a gostar. Mas aí é tarde e logo volta tudo como era antes. Meu reloginho biológico que já não é o mais certinho fica insano.

 

O dia fica mais longo e se aproveita a claridade - o argumento mais comum para a defesa do roubo que, pior ainda, nós mesmos nos roubamos ajustando os relógios. Justamente por isso, aliás, existe o tal horário de verão, pra não ter de ligar a luz.

 

Não entendo, contudo, não valer para todo o país, o que dá uma confusão horrorosa de horários e fusos que creio que quem viaja bastante fique bem tonto. Vale para dez Estados e o Distrito Federal. Tá lembrado que para o Amazonas e Acre ficamos, aqui no Sudeste, com 3 horas de diferença? Três horas. A outros, como Roraima e Rondônia, nos adiantamos duas horas. Enquanto eles acordam, pensamos em almoço. Enquanto estamos na happy hour eles estarão ralando. Sacanagem. A Bahia - lembro vagamente, já fez um levante contra a mudança e pelo que vimos conseguiu se livrar, assim como outros do Nordeste.

 

Brincadeira. Oficialmente, o Brasil se orienta pela Hora de Brasília. Quer saber qual é a hora agora, tem site pra isso. O http://www.horariodebrasilia.org.br e owww.horadebrasilia.com.

 

Esse último tem até mais informações. Por exemplo, olha só, o que é que quer dizer quando você olha no relógio e os números das horas e dos minutos coincidem, um prato cheio para os supersticiosos. Exemplos: 00:00 - O pedido que você fizer nessa hora se realizará. 16:16 - Alguém deseja te beijar23:23 - A pessoa que te ama nunca te trairá. E as horas invertidas: 10:01 - Quem você ama está com outra pessoa23:32 - Alguém está zombando de você.

 

Melhor não olhar no relógio para não ficar cabreiro.

 

Já estamos vivendo uma hora dessas que, quando a gente lembra já dá vontade de arrancar todos os cabelos. De raiva. Fico até encabulada de pensar em tratar de um assunto mais leve do que os que todo dia vêm nos atormentando. Mas pensa o perigo de hora dessas, se eles começam a se sentir muito poderosos, passarem a nos dar ordens assim obrigatórias de seguir! Se mudam o tempo...Vaiqui.

 

Você sabia que houve um calendário revolucionário francês, criado em 1792, na Revolução Francesa? Era bem louco, anticlerical, e baseava-se no ciclo da natureza. O ano começava em 22 de setembro. Doze meses de 30 dias, três semanas de dez. E os anos tinham nomes bem, digamos, popsVindemiário, Brumário, Frimário, Nivoso, Pluvioso, Ventoso, Germinal, Floreal, Prairial, Messidor, Termidor, Frutidor. Isso figurou por lá 13 anos, até que o Napoleão botasse a mãozinha na barriga e voltasse ao calendário gregoriano.

 

Já pensaram os nossos caras inventando calendários? O dos petistas se basearia no 13 e correria em volta do próprio rabo e do Lula, que consideram o Sol iluminador. O de Temer não teria dia, só noite, para ele se encontrar com quem quiser e não parecer estranho ou vampiro. As horas do Doria seriam mais cronometradas e controladas. As dos outros tucanos ainda serão decididas em alguma reunião de muitas horas que uma hora dessas eles convocarão. Para decidir apenas quando se reunirão.

 

Hora dessas o que vai acontecer também é que todos eles vão acertar seus reloginhos uns com os outros e nos deixar esperando ansiosamente dia após dia o 10 de novembro de 2018 quando teremos a possibilidade de varrê-los com nossos votos.

_____________

 

marligo@uol.com.br

marli@brickmann.com.br

www.brickmann.com.br

p.p1 {margin: 0.0px 0.0px 13.0px 0.0px; text-align: center; line-height: 19.5px; font: 13.0px Arial; color: #ff0000; -webkit-text-stroke: #ff0000; background-color: #ffffff} p.p2 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; line-height: 22.5px; font: 13.0px Arial; color: #424242; -webkit-text-stroke: #424242; background-color: #ffffff} p.p3 {margin: 0.0px 0.0px 13.0px 0.0px; line-height: 19.5px; font: 13.0px Arial; color: #000000; -webkit-text-stroke: #000000; background-color: #ffffff} p.p4 {margin: 0.0px 0.0px 13.0px 0.0px; text-align: center; line-height: 19.5px; font: 13.0px Arial; color: #000000; -webkit-text-stroke: #000000; background-color: #ffffff} p.p5 {margin: 0.0px 0.0px 13.0px 0.0px; text-align: center; line-height: 19.5px; font: 13.0px Arial; color: #4a91b0; -webkit-text-stroke: #4a91b0; background-color: #ffffff} span.s1 {font-kerning: none} span.s2 {font-kerning: none; color: #4a91b0; -webkit-text-stroke: 0px #4a91b0} span.s3 {text-decoration: underline ; font-kerning: none; color: #ff0000; -webkit-text-stroke: 0px #ff0000}

www.chumbogordo.com.br

Marli Gonçalves
Artigo escrito por Marli Gonçalves

Jornalista, Marli Gonçalves é diretora da Brickmann&Associados Comunicação, B&A. Especialista em gerenciamento de crises. Foi gerente de imprensa da multinacional AAB, Hill and Knowlton do Brasil (Grupo Standart. Ogilvy & Mather). Trabalhou no Jornal da Tarde, na Rádio Eldorado, em Veja SP e outras publicações. Desde 2010 mantém o blog Marli Gonçalves – http://marligo.wordpress.com. Seus artigos também são publicados em www.chumbogordo.com.br No Twitter - @MarliGo No Facebook - http://www.

Veja todos os artigos deste autor »
ASSINE NOSSA NEWSLETTER!
NOME: EMAIL:
Enviar