EDUCAÇÃO

Haddad anuncia plano de reestruturação na educação

15/08/2013

A Prefeitura apresentou nesta quinta (15) o Mais Educação São Paulo, um programa de reestruturação da rede municipal de ensino. Entre os principais conceitos do novo plano está a divisão dos nove anos do Ensino Fundamental em três ciclos: Ciclo de Alfabetização (1º ao 3º), Interdisciplinar (4º ao 6º) e Autoral (7º ao 9º). Hoje, a divisão é de apenas dois períodos, Fundamental I (1º ao 5º) e Fundamental II (6º ao 9º). 

Atualmente o aluno é retido apenas nos últimos anos dos dois ciclos (4º e 9º). O novo programa propõe a retenção não só no final de cada ciclo, 3º, 6º e 9º ano, mas também no 7º e 8º anos caso o aluno não apresente evolução. Segundo a Prefeitura, a medida impede que, por exemplo, a criança chegue aos oito anos sem estar alfabetizado. "O objetivo não é aumentar a repetência, porque sabemos que a indústria da repetência é tão perversa quanto a da aprovação automática. Mas é o sentido de o professor e os próprios estudante organizarem a passagem de nove anos de maneira que se tenha clareza do que se quer em cada etapa do processo. Ao final do terceiro ano, a alfabetização plena. No sexto e assim por diante. No sétimo, oitavo e nono anos eles entram nas especialidades", afirma o prefeito Fernando Haddad.

Também serão resgatas medidas como a exigência de realizações de provas bimestrais, boletins com notas de zero a dez (substituindo os atuais conceitos:plenamente satisfatório, satisfatório e não satisfatório), relatórios de acompanhamento e lição de casa regularmente. Além do aumento da exigência na avaliação, cresce o apoio ao aluno com a criação da recuperação intensiva nas férias e período letivo, além da criação de dependências nos 7º e 8º anos, caso o aluno não evolua em determinada disciplina.

A inclusão do Programa Mais Educação do Ministério da Educação, criando atividades em tempo integral e promovendo um contato com a escola também no contraturno, em atividades culturais e esportivas, também faz parte das mudanças. A meta prevê a inclusão de 100 mil estudantes no modelo até o fim de 2016. 

Infra-estrutura e formação

O novo plano também prevê melhorias na infra-estrutura, como a construção de 367 novas unidades para a Educação Básica e na formação dos professores, com a criação de um sistema próprio que contará, por exemplo, com 31 polos da Universidade Aberta. A contratação de novos educadores, além dos mais 3 mil nomeados e 2,3 mil contratados emergencialmente neste ano também fazem parte das alterações. 

Os conceitos da reformulação estão disponíveis para consulta pública no hotsite do projeto até o dia 15 de setembro para receber sugestões da população, antes que seja aplicado nas escolas paulistanas.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER!
NOME: EMAIL:
Enviar